terça-feira, 8 de setembro de 2009

O que é Ensinar? O que é um Professor - Maturana

[*]

Humberto Maturana


[*] Transcrito do trecho final da aula de encerramento de Humberto Maturana no curso de
Biologia Del Conocer, Facultad de Ciencias, Universidad de Chile, Santiago, em 27/07/90.
Gravado por Cristina Magro; transcrito por Nelson Vaz.


- Alguma outra pergunta?

- Sim, Professor. Que é um professor? Ou, quem é um professor?

- Humm (pausa)

(Risos)

(Escreve ao quadro negro:)

- Professor, Mestre. E, portanto, está aqui: ensinar. Creio que aqui aparece este
conceito.
O que é ensinar? Eu lhes ensinei a Biologia do Conhecer? Sim, se alguém abre a porta
desta sala... (desloca-se até a porta, simula ouvir alguém que bate à porta e, então, se
desculpa, e diz a outro alguém: ) ... "Nesta sala está o Professor Humberto Maturana
ensinando Biologia do Conhecer" (desloca-se de volta:)
Eu lhes ensinei a Biologia do Conhecer? Em um sentido, com relação à responsabilidade
perante a Faculdade, eu lhes ensinei a Biologia do Conhecer.

(Risos)

- Mas o que fizemos nós ao longo deste semestre?

- Desencadear mudanças estruturais.

- Desencadear mudanças estruturais, desencadear perturbações. E como fizemos isso?

- Em coordenações de coordenações de ações.

- Em coordenações de coordenações de ações. Ou, seja: vivendo juntos. Claro, uma vez
por semana, viver juntos uma hora, uma hora e meia, duas horas, ou, alguns estudantes,
que permaneceram comigo mais horas... isso era viver juntos. Vocês podem dizer: "Sim,
mas eu estava sentado escutando". Isso se estavam verdadeiramente escutando, como
espero.

(Risos)

- Estavam sendo tocados, alegrados, entristecidos, enraivecidos... Quer dizer, se
passaram todas as coisas do viver cotidiano. Mexeram com as idéias, rejeitaram algumas.
Saíram daqui conversando isto e mais aquilo... "Estou fazendo um trabalho..." Estavam
imersos na pergunta: "Como prosseguir de acordo com o que lhes ia passando, vivendo
juntos, comigo, em um espaço que se ia criando comigo."
Então, qual foi a minha tarefa? Criar um espaço de convivência. Isto é ensinar.
Bem, eu ensinei a vocês. E vocês, ensinaram a mim?

- Sim.

- Claro que sim! Ensinamo-nos mutuamente. "Ah, mas acontece que eu tinha a
responsabilidade do curso, e ia guiando o que acontecia". De certa forma, sim, de certa
forma, não. De certa forma, sim, porque há certas coisas que eu entendo da
responsabilidade e do espaço no qual me movo nesta convivência, e tinha uma certa
orientação, um fio condutor, um certo propósito. Mas vocês, com suas perguntas, foram
empurrando esta coisa para lá, e para cá, e foram criando algo que foi se configurando
como nosso espaço de convivência.

E o maravilhoso de tudo isso é que vocês aceitaram que eu me aplicasse em criar um
espaço de convivência com vocês. Vocês se dão conta do significado disso? Foi
exatamente igual ao que ocorreu quando vocês chegaram, como crianças, ao jardim de
infância, e estavam tristes, emburrados, a Mamãe se foi, estão chorando, "Ahhh, eu quero
minha mãe", e chega a professora, e oferece a mão e vocês a recusam, mas ela insiste, e,
então, vocês pegam sua mão. E o que se passa quando a criança pega na mão da
professora? Aceita um espaço de convivência.

Com vocês se passou a mesma coisa. Em algum momento, aceitaram minha mão. E, no
momento em que aceitaram minha mão, passamos a ser co-ensinantes. Passamos a
participar juntos neste espaço de convivência. E nos transformamos, em congruência...
De maneiras diferentes, porque, claro, temos vidas diferentes, temos diferentes espaços
de perguntas, temos experiências distintas. Mas nos transformamos juntos, e agora
podemos ter conversas que antes não podíamos.
E quem é o professor? Alguém que se aceita como guia na criação deste espaço de
convivência. No momento em que eu digo a vocês: "Perguntem", e aceito que vocês me
guiem com suas perguntas, eu estou aceitando vocês como professores, no sentido de
que vocês me estão mostrando espaços de reflexão onde eu devo ir.
Assim, o professor, ou professora, é uma pessoa que deseja esta responsabilidade de criar
um espaço de convivência, este domínio de aceitação recíproca que se configura no
momento em que surge o professor em relação com seus alunos, e se produz uma
dinâmica na qual vão mudando juntos.


voltar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SER(ES) AFINS